Alimentação natural para cães

Alimentação natural para cães

Antes de começar a contar sobre a alimentação natural e toda a minha saga, gostaria de deixar claro que eu fiz esse post para tentar ajudar alguém que esteja passando pelo mesmo problema com seu pet.

Há algum tempo, Rodolpho, meu shih tzu, vem rejeitando a ração industrializada ficando dias sem comer, só bebendo água e dormindo. Com muito medo de chegar e ver o coitado estirado no chão, levei ao veterinário. O Dr. pediu alguns exames, ele fez todos, mas não deu nada. Graças a Deus! Mas ficou uma duvida imensa do que poderia ser. Sem ter muito o que fazer, ele passou Cobavital, um estimulante de apetite, que segundo ele, o consumo máximo seriam por 10 dias corridos ou o animal ficaria obeso.

UAU!!!! Saí de lá com sorriso de orelha a orelha, falando pra todo mundo que ele finalmente is ganhar peso e tals. Ele até comeu bem e chegou a engordar 400g nos 3 primeiros dias, mas logo evitou a ração e voltou a ficar à base de água e sono.

Realmente estava me incomodando muito tocar nele e sentir os ossinhos sobressaindo, além de ter que ouvir todo mundo dizendo que ele estava mal cuidado, magro, sendo que eu sempre cuidei dele, mas não percebi que ele estava emagrecendo tão rápido, já que ele é bem pequeno, tem bastante cabelo e é diferente dos outros que são um pouco maiores, tem os cabelos cortados e são obesos, nada contra, mas não acho que a obesidade seja saudável para ninguém.

Enfim, tirei algumas fotos, mandei pelo whatsapp de outro veterinário (um com mais experiencia, de minha confiança) e ele pediu que cozinhasse algumas verduras, frango e arroz integral para misturar na ração. A verdura que dei ao peludinho foi a cenoura e logo quando a cozinhei, ele não quis, ai guardei em uma vasilha plástica e pus na geladeira.

À noite, ofereci as cenouras geladinhas mesmo e ele comeu! Ponto positivo: ele não gosta de alimentos mornos, mas será que faz mal dar verduras geladas? No dia seguinte dei mamão pela manhã e ele também comeu um pouco, cerca de metade do pratinho dele e deixou o resto. Ok, pelo menos comeu né? Na hora do almoço fiz uma papinha de arroz integral, como recomendado pelo vet, mas ele não quis! 🙁

Então, comparando aos dias que ele não estava comendo nada, ele passou a ficar mais ativo, correr, brincar e interagir mais com as pessoas. Isso foi muito bom, mas a magreza continua e eu continuo buscando alimentos que agradem ele e o faça engordar, sem prejudicar a saúde do meu pequeno.

Além de alimentá-lo com verduras, estou observando as fezes, pele e cabelos, comportamento (se tá se coçando ou se mutilando), observo os dentes, o hálito e o xixi também. Agora que ele está comendo outras coisas, preciso ficar atenta ao consumo de água e driblar isso com frutas que tenha bastante água, como a melancia, ou até mesmo fazer picolé de frutas (sem adição de açúcar ou adoçante) para ele nos dias mais quentes.

Diante de tudo isso, resolvi pesquisar sobre alimentação alternativa para cães e achei o site Cachorro Verde, onde encontrei todas as informações que precisava para montar um cardápio alternativo. Esse site foi criado pela veterinária Dra. Sylvia Angélico, que foi a responsável por difundir o conceito da alimentação natural para cães e gatos aqui no Brasil. Sem duvidas uma mão na roda para donos os donos de cães que rejeitam ração.

Alimentação Natural

Alimentação Natural é uma dieta caseira balanceada, cozida e sem ossos que atende os requesitos nutricionais do pet. Essa alimentação possui níveis de proteína animal de excelente qualidade, gorduras saudáveis na medida certa, carboidratos não inflamatórios de baixo índice glicêmico e enriquecida com legumes, verduras e hortaliças.

Escolhi a “AN” para Rodolpho por que ele passou a rejeitar a ração industrializada e também por que a alimentação natural é muito mais saudável, não possui conservantes, corantes artificiais e outras substâncias que não são legais para nossos bichinhos. Ela é dividia em crua e cozida, basta escolher a opção que seu pet mais gostar e investir no cardápio.

Ao contrário do que pensam, a alimentação natural não são restos de comida que são oferecidos para os cães. Também não pode ser oferecida misturada na ração, pois isso pode comprometer o equilíbrio dos nutrientes e prejudicar o organismo do seu cãozinho.

O que pode comer?

Na alimentação natural seu pet pode comer quase tudo, mas de forma consciente! Como há opções de cardápio crú e cozido, podemos brincar com os pratinhos e ter variações criativas.

Conheça as fontes de macronutrientes que eles podem comer e também o que não deve ser oferecido.

Carboidratos

  • Arroz integral ou parboilizado
  • Aveia em flocos (sempre cozida)
  • Quinoa
  • Painço
  • Cevadinha
  • Lentilha
  • Feijões de qualquer variedade
  • Ervilha
  • Grão-de-bico

Proteína

  • Frango: peito, coxa desossada, moela, coraçãozinho sem a gordura e sobrecoxa desossada
  • Porco: lombo suíno, filé mignon suíno e coração sem gordura
  • Boi: músculo, lagarto, língua, patinho, coxão mole, bucho, coxão duro e coração sem gordura
  • Ovos: de galinha, pata, codorna, perua (gema e clara)
  • Cabrito: qualquer corte magro
  • Carne de rã (é magrinha)
  • Carne de codorna
  • Carne de coelho (é magrinho)
  • Filé de peixe (detalharei opções a seguir)
  • Outras espécies: avestruz, camarões, capivara etc (desde que você possa bancar rs)

E a quantidade?

Há algumas variáveis antes de escolher a quantidade de comida natural que seu pet deve consumir.

Veja abaixo minhas sugestões de porcentagens médias para filhotes de portes diferentes:
Obs: o cálculo é feito sobre o peso atual do filhote. Ou seja, o peso que ele tem nesse momento. Não calcule sobre o peso que ele terá quando adulto. O método que usei para calcular é baseado no porte, idade e peso. Um cão adulto, por exemplo, deve consumir cerca de 3 a 10% do seu peso ideal em alimentos diariamente. Veja as recomendações abaixo.

Filhotes que quando adultos terão porte pequeno (5kg a 10kg):

  • 2 a 4 meses de idade: por volta de 10%
  • 4 a 6 meses de idade: por volta de 8%
  • 6 a 8 meses de idade: por volta de 6 a 7%
  • 8 a 10 meses de idade: por volta de 5 a 6%
  • 10 meses em diante: por volta de 4 a 6%

Filhotes que quando adultos terão porte grande (25 a 35kg):

  • 2 a 4 meses de idade: por volta de 8%
  • 4 a 6 meses de idade: por volta de 7%
  • 6 a 8 meses de idade: por volta de 6 a 7%
  • 8 a 10 meses de idade: por volta de 5 a 6%
  • 10 a 18 meses de idade: por volta de 4 a 5%
  • 18 meses em diante: por volta de 4 a 5%

Filhotes que quando adultos terão porte médio (10-25kg):

  • 2 a 4 meses de idade: por volta de 10%
  • 4 a 6 meses de idade: por volta de 8%
  • 6 a 8 meses de idade: por volta de 6 a 7%
  • 8 a 10 meses de idade: por volta de 5 a 6%
  • 10 a 18 meses: por volta de 4 a 6%
  • 18 meses em diante: por volta de 4 a 5%

Filhotes que quando adultos terão porte gigante (acima de 35kg):

  • 2 a 4 meses de idade: por volta de 8%
  • 4 a 6 meses de idade: por volta de 7%
  • 6 a 8 meses de idade: por volta de 6%
  • 8 a 10 meses de idade: por volta de 5%
  • 10 a 14 meses: por volta de 4 a 5%
  • 18 a 24 meses: por volta de 4%
  • 24 meses em diante: 3 a 4%

A fórmula é:

(Peso ideal) x (% indicada para o porte dele) = quantidade total de alimentos por dia

Passo-a-passo:

  • Digite na calculadora o peso do cão (ex: 5kg)
  • Aperte a tecla de multiplicação (x)
  • Digite o número da porcentagem (ex: 4%)
  • Aperte a tecla igual (=)
  • Converta o resultado de decimal para número inteiro jogando o número antes da vírgula para o final

Na prática, 5 x 5% = 0,25 gramas.

Logo, 250 gramas é o que devo oferecer de Alimentação Natural caseira por dia, fracionados, por exemplo, em duas refeições de 125 gramas cada.

Ajuste a quantidade oferecida de AN conforme a necessidade. Cada indivíduo tem um metabolismo único e por isso as orientações acima são apenas médias. Pode ser que seu peludo precise de mais ou menos comida do que o que indico. Comece adotando a porcentagem sugerida para o perfil do seu cão e observe como ele fica no decorrer de duas a quatro semanas. Ele emagreceu e isso não era desejável? Aumente 0,5% e observe. Passaram-se duas semanas e nada dele dar uma encorpada? Suba 1%. Faça o oposto se ele engordou e isso não era desejável.

Importante: apetite não é um bom termômetro – cães estão sempre dispostos a comer o que gostam. Atente para a silhueta dele. Pets no peso saudável geralmente exibem uma cintura quando observados de cima e as costelas podem ser sentidas com uma leve pressão dos dedos, uma a uma. A perda dessas referências pode indicar que seu amigão está acima do peso. Guie-se pelas figuras abaixo.

O que não pode comer?

Quem resiste aos olhinhos dos animais quando querem comer a mesma coisa que estamos comendo? Mas saiba que nem tudo que você come pode ser compartilhado com eles. Fiz uma pequena lista, com os alimentos mais comuns que você não pode dar para seu bichinho.

  • Doces, chocolates e açúcar;
  • Cafés, chás e estimulantes à base de cafeína;
  • Álcool;
  • Frutas com alto índice glicêmico, como ameixa, pêssego;
  • Alimentos em conserva;
  • Soja;
  • Pão;
  • Chocolate;
  • Cebola, cebolinha e outras folhas (temperos);
  • Batata inglesa, inhame, batata germinada, cará crus: uma toxina chamada solanina pode deprimir o sistema nervoso central e provocar distúrbios gastro intestinais;
  • Uva, uva passa, carambola, frutas cítricas (limão, abacaxi, morango, laranja, lima, etc);
  • Folhas e caules;
  • Ovos, carnes e peixes crus;
  • Temperos prontos, industrializados, sal, etc;
  • Pimenta, em hipótese alguma!
  • Alimentos gordurosos;
  • Ossos, espiga de milho: evite dar ossos para seu cão, há diversos casos que ele pode engasgar e precisar de procedimentos cirúrgicos para remoção do osso.

Dicas

Dê preferência à alimentos cozidos à vapor por cerca de 10 a 20 minutos, pois conserva mais seus nutrientes e jamais dê alimentos muito duros e em um tamanho muito grande, que ocupe todo espaço da boca do animal.

Os legumes precisam ser oferecidos cozidos ou triturados até virarem um “purê” a fim de serem digeridos e aproveitados pelos pets. Folhas verdes devem sempre ser trituradas ou não serão digeridas.
Antes de começar a colocar verduras e frutas no pratinho do seu animal, consulte um veterinário de sua confiança.
Espero ter ajudado! <3